Televisão

True Love

Por Byzinha

Pense no elenco britânico dos sonhos. Billie Piper, David Tennant, Kaya Scodelario. São só alguns dos nomes que compões a mini-série da BBC, True Love, igual e diferente de tudo que a gente já viu.

True Love tem cinco episódios de meia hora, todos eles se passam na cidade de Margate, litoral da Inglaterra e nenhum episódio tem ligação com o outro, como se fosse um Simplesmente Amor, Valentine’s Day da vida fragmentado, e cada um retrata um tipo diferente de amor. Eles foram gravados de um jeito diferente. Os artistas tinham o script básico e as falas foram desenvolvidas no improviso, o que é interessante. Vou tentar dar um breve resumo com qual tipo de amor eu acho que cada episódio representou, para vocês, okay?

Episódio Um: Nick (David Tennant)

Amor Duradouro
Eu escolhi “duradouro” na falta de uma palavra melhor. Nick é um homem muito bem casado, obrigado, com dois filhos e uma vida muito feliz e estabilizada, mas que vira de ponta cabeça quando seu amor de  adolescência Serena (Vicky McClure) reaparece na cidade – divorciada, com uma filha – para visitar a irmã. Ela resolve ir atrás dele e Nick se vê dividido entre a família linda que possui ou ir embora com o amor antigo e no meio dessa confusão de sentimentos, ele trai a esposa com Serena. Será que ele teria coragem de largar tudo para reconstruir a vida com outra pessoa?

O ep1 foi, na minha opinião, entediante. Você sabe que alguma coisa está errada quando o episódio tem 30 minutos e antes da metade você já ta se mexendo incomodado querendo saber quanto tempo falta para acabar. Eu culpo a traição, porque não é uma coisa que me agrada, então passei a maior parte do tempo “mas cacete. sua vida é per-fei-ta, kla bok!”. O final foi digno, tho. Mas não foi um início empolgante, o que explica a queda na audiência a cada episódio. E esse é só o começo.

Classificação: ★★★½☆

Episódio Dois: Paul (Ashley Walters)

Amor Passageiro
Paul é um recém casado com um bebê de um ano ou algo do tipo que só chora e uma esposa que o têm evitado de todas as formas possíveis. Vale ressaltar que o link entre esse episódio e o anterior é que a esposa de Paul, Michelle (Lacey Turner), é a irmã de Serena. Cansado de tanta ignorância da parte de Michelle, Paul vê todos os dias, a caminho do trabalho, uma moça esperando o ônibus; até que, um dia, ele deixa um recado para eles se encontrarem e começam a ter um caso.

Antes de mais nada, me mexi incomodada na cadeira mais uma vez. Traição. De novo. Que porcaria de “amor verdadeiro” é esse que eles querem retratar, se a única coisa que rola é traição? Não consigo ver a lógica até hoje. E diferente de Nick, o casamento de Paul não está bem e ele tentou, eu juro que ele tentou fazer Michelle parar de ser uma idiota rainha do gelo, mas mesmo assim, mesmo com o casamento sendo uma droga, o amor verdadeiro não supostamente tem que persistir? Eu estava morrendo de ódio só por causa da temática, porque não me agrada, velho, nem um pouquinho, e conforme a história desenrola você SABE que não vai dar certo, é ÓBVIO que não vai dar certo. Não sei qual dos dois episódios eu gostei menos.

Classificação: ★★½☆☆

Episódio Três: Holly (Billie Piper)

Amor Inesperado
Holly é uma professora de inglês novinha que não consegue controlar nem sua classe, nem sua vida amorosa, já que é a amante de um cara casado. Traição de novo, é. Eu já estava começando a arremessar coisas. Mas, então, ela começa a se aproximar de Karen (Kaya Scodelario), uma de suas alunas, já que elas tem em comum o gosto pela arte. Elas ficam cada vez mais próximas, se conhecem, até que se apaixonam, mas têm que manter esse relacionamento em segredo porque, bem, são professora e aluna.

De longe, o melhor episódio da temporada, tanto Kaya quanto Billie estão maravilhosas, mas não é o fato delas serem gays que faz o episódio ser realmente bom. O que fez a diferença foi o modo como o relacionamento delas foi construído, realmente construído, dessa vez, com diálogos que não eram direcionados diretamente para o “eu te amo” e medo e descoberta e alegria. É realmente, realmente muito bonito e complexo e Holly tem tanta dificuldade com os alunos e Karen a ajuda a passar por isso. Lindo. E destaque para a cena em que um dos alunos tira a professora do sério e ela grita e tira ele da sala e chora de ódio. Billie de parabéns, uma das cenas mais interessantes – se é que essa é a palavra certa – da tv.

E pra não dizer que não teve link com nenhum dos outros episódios, Lorraine (Jo Woodcock), amiga de Karen é a filha de Nick.

Classificação: ★★★★½

Episódio Quatro: Sandra (Jane Horrocks)

Amor Quebrado
Sandra é a dona de uma lojinha de artigos vintage de frente para a praia e sua filha mais nova acabou de ir para a faculdade. Agora, ela tem que descobrir como rearranjar a vida com o marido, David (Charlie Creed-Miles), já que voltou a ser só os dois juntos. E ela tenta. Ela tenta e tenta, mas lembram da Holly do ep3? O cara casado que ela tinha um caso era justamente ele, e mesmo ela tendo dado o pé nele há algum tempo, o cara continua não fazendo o menor esforço para agradar a esposa e estar ali para ela, quando ela mais precisa. Talvez ele ache que ela sempre vai estar ali, por isso ele não se preocupa. E talvez Sandra pensasse a mesma coisa, que sempre estaria presa à David, que conseguiria trazê-lo de volta. Mas o destino é espertinho e colocou Ismail (Alexander Siddig), um turco muito simpático que conseguiu fazê-la sorrir novamente. E agora, David? Será que ele conseguiria reconsquistar Sandra a tempo?

E já que estamos reclamando desde o início sobre infidelidade, vale ressaltar que não fica claro se Sandra e Ismail tiveram um caso. Mostra que eles ficaram muito amigos, abraços e mãos dadas, mas isso pode significar tanto tudo quanto nada, então esse foi um ponto interessante no episódio. E o final também é interessante de um jeito bom. Sem contar que o episódio é trabalhado no Mumford and Sons, e, na minha opinião, a melhor trilha sonora da temporada.

Classificação: ★★★★☆

Episódio Cinco: Adrian (David Morrissey)

Novo Amor
Adrian é o pai de Karen (de lá do ep3), um taxista que começa a conversar virtualmente com uma britânica que vive em Hong Kong, Kathy (Gemma Chan), e acaba se apaixonando por ela. A filha dele não é muito entusiasta desse romance, mas também não tenta impedí-lo quando Kathy volta para a Europa e pergunta se pode passar alguns dias com eles em Margate. Enquanto isso, Lorraine – a amiga de Karen e filha do Nick – resolve que “tem alguma coisa rolando” entre ela e Adrian e começa a persegui-lo, até quase destruir o relacionamento dele com Kathy.

Foi uma boa season finale, para ser sincera. O episódio foi surpreendentemente bom e engraçado em alguns momentos. A obsessão de Lorraine era enervante e muito bem retratada, o relacionamento de Adrian e Kathy foi bem construído, claramente diferente do de Paul e Stella (Jaime Winstone) do ep2 e você acaba torcendo por eles.

Classificação: ★★★★☆

Em geral, True Love foi interessante, mas não foi empolgante. Bom para refletir, se querem minha opinião. Uma distração gostosa, se você sobreviver aos dois primeiros episódios sem morrer de tédio ou raiva. Aconselho persistir, porque os três últimos episódios são muito bons. Se ele sobreviver a mais uma temporada, vou ficar revoltadíssima, porque The Fades era muito mais legal e morreu na praia. u_u

Mas mesmo assim, vale a distração. Ainda não sabemos se algum canal nacional vai comprar os direitos para exibir por aqui – e devo dizer que achei a série a cara da HBO -, mas por enquanto nós temos a legenda feita pelo pessoal do LOTS + about skins e você encontra os links de download AQUI.

Até a próxima!
Toodles

You Might Also Like

4 Comments

  • Reply
    May
    12/07/2012 at 2:49 pm

    Gostei de conhecer a mini-série pelo fato de ela justamente ser pequena, tudo o que eu preciso agora, rs. Quem sabe eu não baixe o primeiro ep e me empolgue!

    Beijinhos,
    May ;*

  • Reply
    thanny
    12/07/2012 at 9:46 pm

    Pela resenha me empolguei com os episódios 3 e 5, e já tá bom demais. Também não gosto de traição, mas sei lá, é difícil. Vou baixar!

  • Reply
    Jeniffer Haddad
    13/07/2012 at 4:50 pm

    Não gosto muito de séries com esse tema ;/ Minha favorita é Supernatural ^.^
    Acho que não vou baixar ;/

  • Reply
    Sam
    16/07/2012 at 4:30 pm

    Que interessante que o único episódio que eu assisti foi o melhor, HEIN. Sou tão podre que nem vi o do Tennant ainda, plmdds. Mas olha com um ~~elenco desses acho que tá valendo a pena.

  • Leave a Reply

    CommentLuv badge