Cinema

Robocop (2014)

Atenção: para melhor aproveitamento desta review é aconselhável que o leitor coloque os pés para cima, grite “YOUR MOVE, CREEP” e VEM COMIGO!!!!

robocop

…creep

O reboot do filme de 1987 segue a vida do policial Alex Murphy (Joel Kinnaman), que acaba severamente machucado após uma explosão. Raymond Sellars (Michael Keaton), presidente da OmniCorp, vê em Murphy uma oportunidade para finalmente se livrar da lei que proíbe o uso de robôs nas ruas dos Estados Unidos, e resolve criar um novo tipo de oficial da lei, meio humano, meio máquina. Agora parte robô, Alex precisa aprender a lidar com quem é e como isso afeta a todos em sua volta – principalmente sua família – e buscar vingança contra os que tentaram matá-lo.

Hollywood está ficando sem ideias, isso é verdade. Robocop cairia facilmente na categoria “desnecessário” junto de vários outros remakes, visto que o original continua relevante e ótimo. Porém, o longa do brasileiro José Padilha é uma reinterpretação da história do policial e uma readaptação para o ano em que foi lançado;  estamos em 2014, afinal, e embora muitos dos temas tratados na versão de Paul Verhoeven sejam atemporais, temos outros que não previram lá em 87. Por isso temos um novo Robocop, e a visão de Padilha sobre a jornada de Alex Murphy é mais política do que qualquer um imaginaria.

E o que temos é um filme muito bom. Não fantástico, não melhor filme da vida: muito bom. Tem menos ação do que os trailers venderam, porém chuta bundas lindamente quando necessário, traz uma versão mais emocional e mais centrada na parte humana do protagonista e sua relação com sua mulher e filho (explorando o que não tentaram nos filmes originais), e ainda aproveita para distribuir críticas ao uso de drones, manipulação pela mídia e corporações.

Prova viva de que eventualmente todo Batman vai dizer uma variação de “does it come in black?

O desconhecido Joel Kinnaman aka novo amor da minha vida fez bonito no papel principal, entregando um Murphy que chora, se desespera, sorri de verdade e facilmente consegue a empatia do espectador. A maravilhosa Abbie Cornish foi um pouco desperdiçada, chorando em quase todas as cenas em que aparece, mas representou corretamente o que o script exigia e teve uma boa química com Joel. Batman Michael Keaton está bacana, e Samuel L. Jackson também (seu personagem é o melhor de todos, bjs), Rorschach Jackie Earle Haley está bom e detestável, Comissário Gordon Sirius Black George Smiley Gary Oldman é Gary Oldman e amém.

O longa segue seu próprio caminho sem deixar de referenciar o filme original, seja com as frases icônicas ou com a música tema, que aqui é usada de forma mais irônica. Para conseguir uma menor classificação indicativa, a violência foi descartada e mal se vê sangue durante a narrativa, mas algumas cenas perturbadoras e até chocantes foram incluídas, necessárias para a história. A trilha sonora de Pedro Bromfman é bacana, e apesar de exagerada nos momentos emotivos e de criar uma tensão antecipada que acaba destruindo a surpresa em si, suas composições funcionam bem na hora da ação. Os efeitos especiais estão ótimos e foram bem usados. O único grande ponto fraco é o roteiro, pois suas transições entre drama e ação são estranhas e o ritmo demora a ficar bom de novo. Entretanto, essas oscilações são praticamente imperceptíveis numa segunda assistida, verdade. Existem coisas mal explicadas, outras convenientes demais e a falta de um vilão exato pode incomodar, mas nada que estrague a experiência por completo.

Não diria que esse Robocop é tão inesquecível quanto seu material original, ou que é até tão marcante quanto – talvez eventualmente seja um daqueles que você só lembra que curtiu muito quando anunciam uma sequência. De qualquer jeito, você vai sair da sala de cinema pensando no que viu e nas críticas que foram feitas, vai concordar ou discordar delas e talvez ainda vá querer discutir com outras pessoas. E vai ter se divertido bastante durante aquelas 2 horas.

P.s. Pros fofinhos que juraram de pé junto que o “remake” do clássico estragaria toda a história de Robocop… isso não é Robocop 3, seus lindos.

ficha técnica

 

Título original: Robocop
Direção: José Padilha
Elenco: Joel Kinnaman, Gary Oldman, Michael Keaton, Abbie Cornish, Jackie Earle Haley, Jay Baruchel
Roteiro: Joshua Zetumer
Trilha sonora: Pedro Bromfman
Duração: 117 min.
País: EUA
Gênero: Crime, ação, sci-fi
Trailer: (x)
Classificação: ★★★★☆

You Might Also Like

5 Comments

  • Reply
    Byzinha
    14/03/2014 at 6:38 pm

    A parte política de Robocop é uma coisa linda de mais! A melhor coisa é pegar as referências. Pura verdade que SLJ rouba a cena e até parece com um certo canal que conhecemos bem.
    To mandando todo mundo ir assistir Robocop, porque né, é tão necessário quanto foi Tropa 2 u_u

  • Reply
    Tarsila Martins
    15/03/2014 at 12:39 am

    Fiquei com as expectativas mais baixas quando li sua opinião sobre esse remake. Meus amigos que já assistiram falaram que era muito bom, com muita ênfase no ‘muito’. Estava super com vontade de assistir esse filme por causa do diretor. Pelo menos os pontos positivos que você colocou deram um ‘up’ na minha vontade, principalmente quando se trata dos efeitos especiais.
    Vou assisti-lo, quero ter minha opinião e saber se o filme vai me agradar de verdade, e creio que isso irá acontecer :)
    Beijos!

    • Reply
      Sam
      15/03/2014 at 1:06 am

      E ele É muito bom, sério. Tanto que fui pro cinema assistir duas vezes e nunca faço isso (porque pobreza). Mas como eu disse, é “esquecível”, saí do cinema tipo OMG MELHOR FILME e 3 dias depois não lembrava mais de ter assistido? Daí fui de novo e OMG MELHOR FILME e até agora não esqueci de novo, VEREMOS.
      Assista sim, é muito bom mesmo, principalmente se você gosta do Padilha. 4 estrelas ainda são 4 estrelas, haha.

  • Reply
    Diego de França
    15/03/2014 at 12:52 pm

    Eu assisti o filme com um certo receio, mas para minha surpresa o filme não é ruim. Os efeitos especiais utilizados ficaram ótimos, o enredo em si não é muito denso, tem essa questão de não ter um vilão em foco, mas é um bom filme.
    Não é excelente, mas recomendo também!

    (Ainda prefiro o original /grin )
    Diego de França recently posted..{News} – King of Thorns – Todos Clamam Pelo ReiMy Profile

  • Reply
    Michelli Santos Prado
    29/03/2014 at 10:20 am

    Olá Sam, tudo bem??
    Sempre tive um grande amor por este personagem, então realmente estou bastante animada para poder conferir ele nos cinemas, ele chegou semana passada na minha cidade e quarta-feira irei olhar!! Espero gostar!
    Beijos ?

  • Leave a Reply

    CommentLuv badge