Coluna

Quase julgou o livro pela capa (e percebeu que se arrependeria se tivesse)

Quantas vezes você passou pela vitrine de uma livraria buscando uma capa que lhe chamasse a atenção, que sua beleza fosse suficiente para lhe convencer a comprar o livro mal lendo a sinopse?

Mas e quando o livro tem a capa feia? E quando você leu a sinopse ou resenha em algum lugar e vai todo empolgado pra livraria e quando pega o livro na mão e é tipo MEU DEUS QUE CAPA HORROROSA???? Como ficam os sentimentos em relação à obra?

SemLit2

Muitas vezes é difícil desapegar que oh God, essa capa péssima vai ficar na minha estante, será que o sacrifício é válido? Muitas vezes a gente deixa o livro de lado e vai caçar num sebo, porque a ideia de pagar tão caro por ~~aquilo~~, única e exclusivamente por causa da capa, é muito dolorosa e é melhor pedir de troca no Skoob ou algo do tipo. Você se pergunta se seria capaz de pegar o livro e ler. Por causa da maldita capa feia. Mas você, com toda sua força de vontade, pega o livro pra ler e então é como se o universo tivesse se aberto.

O. Livro. É. Bom.

O livro superou as baixas expectativas de sua capa e é genuinamente bom. E não é que bate aquele arrependimentinho por ter levado tanto tempo para pegá-lo ou por ter debatido por tanto tempo se ele valia o preço. ETA, SE VALIA! Nossa, se a capa fosse bonitinha eu até pagava mais!

Um grande exemplo da síndrome da capa feia são os livros da Richelle Mead. A série do Súcubo é a mais lembrada. Quem trabalha em livraria sabe que os livros encalham. Por que são ruins? NÃO. A gente ia, falava pro cliente que tem essa série super bem escrita e engraçada que é muito legal, levava o cliente até a sessão e quando colocava o livro na mão dele, já era com aquela cara de mil perdões porque sabia que viria a seguir uma careta e um “mas essa capa é muito feia.”

Os fãs da Richelle estão sempre inconformados porque ninguém, em nenhum lugar do mundo conseguiu dar capas bonitas para os livros dela. É como se os editores quisessem colocar em letras garrafais “LIVRO DE BANCA DE JORNAL”. Sabe? Livro de banca de jornal, com o Fábio na capa e os romances picantes nas páginas? Mas Richelle não é nada disso, nós sabemos.

(Agora tenta convencer os outros que nunca leram nada dela. Só tenta.)

Outra série que sofre desse mal é o Quarteto do Ender, do autor Orson Scott Card. Eu não sei se é porque todo mundo odeia o autor, mas ele NUNCA dá sorte. Os leitores amantes de sci-fi têm que ficar garimpando atrás de versões menos feias (e, acredite ou não, a capa do filme é uma das menos feias) para colocar na estante. Eu mesma optei por um pocket paperback surrado ao invés do hardcover porque Deus do céu. E estou até hoje pensando se devo ler o resto, não apenas porque minha personagem preferida, Petra Arkanian, foi mal escrita, mas porque SOCORRO AS CAPA TUDO FEIA. Quer dizer, olha aqui a capa do segundo livro, não dá!!!!

O maior problema é que é verdade. A gente julga pela capa mais vezes do que o saudável. A estética acaba sendo importante até nas coisas materiais, o que, se você for parar para pensar, é bem zuado. E, se você parar para pensar, pode lhe dar uma pequena dor na alma ao perceber que, por mais que tenhamos livros e livros nas estantes, possamos ser tão vazios ao ponto de prezar pela beleza DE UMA ESTANTE. Vaidade pura até para os papéis! E se a gente ficar parando pra pensar muito nisso, vai virar uma discussão filosófica desnecessariamente longa. Mas repara só. Pensa na quantidade de livros que você precisou CONSIDERAR MUITO levar para casa, mas que super valeu a pena no fim das contas. Pensa em todos aqueles saldões de sebo que você disse “É HOJE!!!! Que essa feiura vem pras minhas mãos” e nunca se sentiu tão feliz.

Quem nunca, não é mesmo? Quase julgou um livro pela capa e percebeu depois que teria se arrependido muito se tivesse? Todos nós. Mas preconceitos são feitos para serem quebrados – assim como as regras! – e cada dia é uma nova vitória. (mesmo que seja finalmente pegar aquela versão antiguissima de Admirável Mundo Novo e tomar vergonha na cara.)

Agora conta pra gente: qual foi o livro feio que mudou sua concepção de mundo?

Não julgue um livro pelo preconceito

Confira os outros posts dessa semana literária!

Postagens Relacionadas:

You Might Also Like

1 Comment

  • Reply
    Camila Oliveira
    July 21, 2014 at 7:29 pm

    Ri demais com esse post e mais ainda com as capas desses livros, são muitos feias mesmo D: -n hahahaha. Mas não, eu quase sempre escolho um livro pela capa. Um exemplo é Divergente, eu ficava “preciso comprar esse livro, olha essa capa maravilhosa!!!!!” e no momento que estava fechando a compra fiquei “mas do que fala esse livro mesmo?……..” sim, eu não tinha lido nem a sinopse. Então li logo umas 3 resenhas, achei muito interessante e comprei. Porém, as vezes eu consigo deixar a estética de lado e comprar um livro por causa da história, é o caso de Mundo em Caos, eu li a resenha de O Motivo aqui e simplesmente adorei, mas ficava “ai essa capa feia…” dai quando li o livro “MEU DEUS É PERFEITO, MEU LIVRO FAVORITO DA VIDA D:” então meio que me arrependi por ter jugado pela capa, pois atrás dela se esconde uma história incrível e é minha trilogia favorita de todas!

  • Leave a Reply

    CommentLuv badge