Música

Novos Artistas da MPB

Opa! Mas esse especial está quase acabando. Tivemos livro, mini-série e filme… Mas, peraí, não tá faltando nada não? AH SIM, É VERDADE. Música. Faltou falar de música. E nem adianta  fazer cara feia porque nosso país tem muita coisa boa, sim senhor. Ah, ainda está duvidando? Então eu te desafio a passar por essa lista sem gostar de nenhum artista, fechado? Então vamos lá.

Sabonetes

Talvez você não conheça som e ache o nome um pouco estranho, mas não se atenha isso. Talvez, essa jogada de marketing tenha sido proposital. A banda, formada em 2004, é uma das minhas descobertas favoritas. Famosinha nas baladas de Curitiba, vem ganhando o território nacional com um som contagiante e uma melodia super bem cuidada, dando a impressão de um som… jovem. Eles lançaram seu primeiro disco, também intitulado Sabonetes, em 2010. Devo muito a um grande amigo meu por ter me apresentado a eles.



Móveis Coloniais de Acaju

O Last.fm define o som da banda como “estilo singular, fundindo rock e ska com influências musicais de todo o mundo (especialmente do leste europeu) e de música brasileira.” E com essa mistura boa os brasilienses do Móveis conquistam com seu jeitinho próprio de fazer música. De verdade, é difícil não ficar feliz e animado, ou até querer sair pulando pelo quarto ao ouvir algumas de suas faixas. É uma “feijoada búlgara” natural e da mais pura qualidade.


Cansei de Ser Sexy

Muita gente gosta do jeito doido e escrachado da banda, outros odeiam. Mas o CSS conseguiu carreira internacional e tudo, conquistando a gringaiada com suas músicas em inglês misturado com português, som meio indie rock/pop/eletrônico e letras que grudam na mente em velocidade absurda (ou vai dizer que você nunca se pegou cantarolando “ALALA ALALA, GIVE ME THREE WISHES” em algum momento?). Sério, a banda é super legal, e o cd homônimo dos caras das minas é um dos mais bacanas do mundo. Vale a pena dar uma chance.

Los Hermanos

Esqueça Anna Julia. O quarteto de barbados mais charmoso do universo fez muito mais – e ultrapassou estratosfericamente – a primeira composição, baladinha tão chiclete. Em 15 anos de carreira, o grupo, que mesmo acabado ainda arrasta multidões em suas turnês de reencontro, misturaram ritmos e estilos, foram do rock ao samba, sempre perguntando cadê o suin’? Fizeram poesia da mais alta qualidade, sabendo tocar o coração, seja apaixonado, seja sofrendo, seja querendo deixar o verão pra mais tarde com um cadinho de carinho e um cadinho de musica. Não consigo dizer qual dos cds é melhor, mais lindo, enfim. Se você nunca deu uma chance, porque ainda lembra da Anna Julia aa a a a a, não perca mais tempo!

Mallu Magalhães

Todo mundo fez “bleh” quando ela surgiu, cantando músicas em inglês com sua voz pequenininha e suave. Quem é essa menina? Mas depois de não muito tempo, muita gente cantarolava “Tchubaruba” por aí. Ninguém queria gostar de Mallu, mas foi meio inevitável. Ela tem uma simpatia e suas letras são de uma preciosidade que fica difícil ignorar, principalmente com o evidente amadurecimento que ela tem mostrado. Se você ainda não deu uma chance para Mallu Magalhães, talvez seja o momento.

Tiê

Tiê é uma dessas cantoras fofinhas, com voz calminha, melodia gostosinha de ouvir. Músicas para alegrar o coração, como dizem. São melodias simples, com letras fofas e alegres e, mesmo em uma balada aqui e outra ali, o coração não dói, ele suspira. Tiê é amor, sem mais. Além de possuir um timbre de voz carismático, fácil de gostar (e de enjoar, de acordo com a By!), e que transborda emoções. E não tem como não ficar com aquele “já que não te tenho por perto, eu vou tomar um sorvete, pra alegrar o meu dia” na cabeça por horas, horas…

Cícero

O Cícero é um cantor e compositor carioca que lançou o seu primeiro trabalho solo em 2011. O intitulado Canções de Apartamento é repleto de canções doces, com melodias boas de se ouvir, daqueles que derretem na boca feito biscoito amanteigado, e a produção do disco é independente e a repercussão foi mais que satisfatória. Além de um show de lançamento do álbum repleto de fãs que já cantam todas as músicas, o Cícero abriu shows do Marcelo Camelo, que é uma das grandes influências do rapaz.

Vanessa da Mata

Nós gostaríamos de achar o contrário, mas não são muitos artistas que conseguem o reconhecimento que Vanessa conseguiu em pouco tempo. Desde seu inesquecível “Ai ai ai ai ai ai ai (infinito) ai”, nenhuma música dela foi capaz de desgrudar de nossa cabeça. Ela é outra dessas cantoras com voz suave que deixam as pessoas felizes quando ouvem suas músicas. Impossível não gostar, nem que seja guilty pleasure.

Maria Rita

Ela veio de uma forma que todo mundo temia: com a sombra da mãe, Ellis Regina. Mas Maria Rita não queria ser conhecida apenas pela mãe que teve e fez tanta diferença na música nacional. Maria Rita queria deixar sua própria marca – não se tratava de ser mais que a mãe, mas de fazer diferença também. E logo em seu álbum de estreia, cujo título levava seu nome, o sucesso foi imediato, vendendo mais de 1 milhão de cópias. Com voz suave e limpa, sorriso encantador, ela vem conquistando um público fiel, porque fala sério, ela é uma delícia de ouvir.


Atualmente, Maria Rita está em turnê pelo Brasil com um repertório Elis Regina. Muito amor.

Chico Buarque

O que falar sobre o melhor compositor que esse país já viu? Com seus olhos azuis, timidez e voz “chinfrim” (nas palavras do próprio), mas um talento mais que excepcional pra falar sobre tudo e todos, Chico conquistou o país. Não tem como competir com a genialidade do homem, e qualquer um que discorde, ou é surdo, ou tem algum probleminha na mente…. Filho de classe média alta carioca, Chico consegue falar como um trabalhador popular, como mulher, como qualquer personagem que quiser, mesmo fora de sua realidade, e o faz genialmente. Político, chegou a ser exilado e a ter que assinar suas músicas como “Julinho de Adelaide” para poder passar pela censura, mas nunca se calou. Sempre cantou com uma poesia maravilhosa, densa, cheia de figuras e personagens. Hoje em dia, esse senhor lindo de 68 anos, que agora canta sobre as mulheres, vê a tranquilidade de poder fazer show quando quer, cds quando quer, e esse ano nos deu o prazer de fazer turnê com seu cd “Chico”, por grandes capitais do país.

Djavan

Se você é desses que fala “ADORO DJAVAN” mas não conhece nenhuma outra música além de “Se…”, com licenca que eu vOU DAR UM PETELECO NA SUA ORELHA. Djavan é poesia. Ele tem uma lírica e extensão que poucas pessoas são capazes de acompanhar. Suas músicas têm uma cadência maravilhosa, de aquecer o coração. E se você se permitir uma olhada mais de perto, vai perceber que “Se…” é uma de suas canções mais fracas, em comparação com tantas outras que continuam fazendo sucesso em seus mais de 30 anos de carreira (você sabe o que a canção “Flor de Lis” realmente quer dizer?). Sou incapaz de de escolher uma preferida, mas gosto de lembrar dessa letra “O seu amor/Reluz/que nem riqueza,/asa do meu destino./Clareza do tino,/pétala/de estrela caindo bem devagar“. Eu poderia morar nas músicas dele.

Elis Regina

Aquele que não reconhece o talento e falta que Elis Regina faz no cenário musical nacional que atire a primeira pedra. Ela veio no que pode ser considerado o melhor momento da música brasileira (se você, que ama música, não sente dor no peito só de lembrar o quão maravilhosos aqueles festivais que revelaram desde Jair Rodrigues até Chico Buarque, então faça o favor de se retirar do recinto) e foi embora cedo de mais. E seja com músicas mais comuns, como “Como Nossos Pais” ou as menos conhecidas, mas igualmente adoradas (minha preferida é “O Bêbado e a Equilibrista”), Elis deixou um legado dificil de seguir, mas amado por gerações. Ela era preciosa e ouvir suas músicas coloca sorrisos em nossos rostos.


Legião Urbana

Me diz uma coisa: TEM COMO NÃO GOSTAR DE LEGIÃO URBANA? Acho que é humanamente impossível você passar por essa vida sem pelo menos viver em uma das músicas compostas por Renato Russo, Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá. Não viver, de viver, de ser Mônica e namorar um  Eduardo, mas viver, sabe? Se envolver, se trancar no quarto e chorar ouvindo Metal Contras Nuvens. Conhecer o João Roberto, ou então João de Santo Cristo. Lutar contra a rebeldia da adolescência ouvindo Pais e Filhos. Se apaixonar com Vento no Litoral. Gritar contra as injustiças com Índios e Perfeição. Legião é uma dessas bandas que não envelhecem nunca, que não perdem a qualidade nem colocando um ator para fazer um show em homenagem à banda.  É uma dessas bandas que, mesmo tendo acabado há muitos anos, conquistam fãs todos os dias. É uma dessas bandas que, ao juntar várias pessoas cantando Que País É Esse? você consegue ouvir a voz de Renato, ali, ainda viva, em cada um deles.


E aí? Agora me diz você se esse país tem ou não tem músicos talentosos? Muita gente se fecha pras coisas nacionais por puro pré-conceito. Simples assim. Restart é a mais nova sensação? Você gosta? Se sim, ótimo, se não, ótimo também, procure coisas novas. Justin Bieber é a maior revelação da música atualmente e nem por isso você se conteve com ele, e saiu procurando outras bandas, não foi? Por que com produtos nacionais a gente não pode fazer o mesmo? Além desses artistas cheios de awesomeness que citamos, existem muitos outros. Pitty, Charlie Brown Jr., Cachorro Grande, Garotas Suecas, Vanguart, outras cantoras fofas como Céu, Roberta Sá, Tulipa Ruiz, a revelação Maria Gadú, Sandy em carreira solo confortável em um estilo que é seu próprio, e os melhores-dos-melhores-incontestáveis: Tom Jobim, Chico Buarque, Caetano Veloso. Quem sabe até você não possa gostar de Roberto Carlos? É, ué. Você já tentou? Eu já, Roberto não é pra mim -s

Postagens Relacionadas:

You Might Also Like

4 Comments

  • Reply
    Byzinha
    September 6, 2012 at 10:37 pm

    Foi a Gi que falou de Legião? KKK Acho que eu sou a única que não gosta, então? Quero dizer, eu não gosto mesmo de Los Hermanos e Engenheiros, minha questão com Legião é que eu não idolatro como muita gente faz. Mas quero assistir Faroeste Caboclo, além de ter chorado com o clipe de Eduardo e Monica, quem nunca? Okay, parei.

    • Reply
      Nana
      September 7, 2012 at 1:09 am

      Não, fui eu KKKK Mas realmente, a nova versão pro curta de Eduardo e Mônica ficou ótima, apesar do blah blah bleh copiamos da ATL e whatever. Não vejo a hora de “Somos tão jovens” sair também. Disseram que esse ano seria O ANO pra esses lançamentos e nada.
      E não sei, acho que toda essa questão de idolatrar é porque eles fazem letras verdadeiras e diretas. Ou não tão diretas assim, mas que em algum momento você vai precisar extravasar. Aquele sentimento sufoca e tal.
      Sem contar que eles são os Smiths brasileiro (daí você pega e diz que não gosta de Smiths KKK)

  • Reply
    Raíssa
    September 7, 2012 at 1:36 am

    Hmm, vamos ver, dos que estão aí, gosto bastante de Legião e Chico. :) Mallu eu torci o nariz bastante, mas agora que ela tá crescida até que tô achando as músicas dela legais? XD~ Essa “Velha e Louca” é bem bonitinha mesmo! :)

    Tiê eu acho bacana… Mas tenho dias pra ouvir, não é sempre que consigo escutar. Já gostei mais de Maria Rita. Acho a voz dela incrível, mas depois, não sei acho que ela começou a fazer muito o gênero “gostosona do sambão” XD Acho que gostava mais dela no começo da carreira… ._.

    CSS eu até gosto. :) As músicas deles são engraçadas, haha. :) Los Hermanos eu não conheço muito, mas também nunca dei uma chance sincera… :/ Acho que fiquei meio cansada dessa onda pseudo cult ficar endeusando tanto os caras e peguei raivinha gratuitamente, sabe? ^^” Com Móveis Coloniais foi a mesma coisa… XD~ Vamos ver se isso muda.

    Gosto bastante de Tulipa Ruiz também, conhece? É bonitinho. :)

    Adorei o post! bjs bjs!

  • Reply
    Who's thanny? » Blog Archive » Of Monsters and Men
    October 4, 2012 at 5:31 pm

    […] o nariz quando ouvimos falar de músicas de outras nacionalidades. Um exemplo bem vivo disso? Nosso especial sobre música brasileira. Não importa se é, americana, canadense, alemã, irlandesa, brasileira, japonesa ou coreana: o […]

  • Leave a Reply

    CommentLuv badge