Cinema

Fragmentado, um filme em que o terror está nas formas de abuso

Este post contém spoilers de “Fragmentado“, de M. Night Shyamalan, portanto se você ainda não assistiu o filme, esteja avisado.

M. Night Shyamalan é um diretor e roteirista que fez muito sucesso nos inícios dos anos 2000 com seus plot twists que faziam o público sair do cinema extasiado, eu mesma sou fã de “Sexto Sentido” e curti bastante “Sinais” e “Corpo Fechado”. Porém, com o tempo, ele meio que foi perdendo a mão e seus filmes deixaram de ser algo relevante para a crítica. Recentemente, lançou com baixo orçamento “A Visita”, que, para mim, teve um final decepcionante, e por fim, “Fragmentado”, que já faturou US$ 257 milhões na bilheterias e resgatou seu prestígio em Hollywood.

Estrelado brilhantemente por James McAvoy, “Fragmentado” acompanha a história de Kevin Wendell Crumb, um homem com 23 personalidades diferentes, devido a um transtorno dissociativo de identidade, que sequestra três adolescentes. Marcia (Jessica Sula), Claire (Haley Lu Richardson) e Casey (Anya Taylor-Joy) são aprisionadas sem saber bem o porquê, até que descobrem que estão sendo guardadas para a Besta, uma nova identidade que está surgindo dentro de Kevin e que, segundo a descrição, parece um monstro digno de filme de terror.

Com o olhar atento de Casey, protagonista de “A Bruxa”, a garota saca as personalidades de Kevin, principalmente quando ele vira um garotinho de 9 anos de idade e resolve usar sua inocência para conseguir escapar com as demais. A tensão do filme, inicialmente, é saber se elas vão conseguir ou não.

Em várias entrevistas, Shyamalan afirma que fez uma longa pesquisa à respeito do TDI e dedica boa parte do filme pra explicar melhor a doença através da psiquiatra de Kevin, Karen Fletcher (Betty Buckley), porém, é com uma fala dela, questionando se talvez as pessoas que sofrem transtornos psiquiátricos são uma espécie de evolução da mente humana humana, que nos antecede o terror que está por vir.

“E se… a força da sua mente fosse tão forte a ponto de promover mudanças biológicas no seu corpo?”.

Nossa tensão se volta agora para A Besta, será que ela é realmente isso tudo que foi dito pelas outras identidades de Kevin? Enquanto isso, a história nos mostra cenas de regressão da infância de Casey, deixando claro que a garota foi abusada sexualmente pelo tio. Pelos traumas causados, a garota arrumava briga na escola para simplesmente ficar sozinha na sala de detenção e auto infligia cortes por seu corpo, que são revelados quando ela tira a última camada de roupa.

Também somos apresentados aos traumas de Kevin, que sofria abusos físicos e psicológicos da própria mãe. Uma de suas personalidades afirma que ele é fraco, que não sabe se defender, e por isso ela veio à luz. As personalidades mais problemáticas de Kevin se manifestaram devido à traumas, porém nem todos são revelados e fica aquela coisa meio superficial. A Besta seria a personificação da frase “o que não me destrói, me fortalece“, de Nietzsche.

A cena em que a Besta, após levar um tiro de Casey, observa os cortes da garota e diz “Você tem um coração puro“, deixando-a sobreviver, mesmo após ter matado as outras duas pode gerar um mal estar para vítimas de abuso, como se de certa forma Shyamalan estivesse romantizando este tipo de coisa, o que cá entre nós, é assustador. A Besta vê Casey como uma igual, os dois estão fragmentados devido aos traumas que sofreram, diferentemente de Marcia e Claire, que não sabiam o que era sofrer e, por isto, eram consideradas impuras.

Mais adiante, no carro de polícia, a policial avisa que o tutor de Casey está esperando por ela, e ele é ninguém menos que o tio abusador (!!!). Pela expressão do olhar de Casey vemos que ela está decidida a não sofrer mais. Quando criança ela não conseguiu atirar no tio, mas ela acabou de atirar numa pessoa com força sobre-humana. A policial a encara e meio que entende que tem algo errado, a gente só torce para que o cara vá apodrecer atrás das grades. Porque o terror de Shyamalan não está no sobrenatural, e sim nas atrocidades que o ser humano é capaz de fazer.

ficha técnica

Título original: Split
Direção: M. Night Shyamalan
Elenco: Anya Taylor-Joy, Betty Buckley, Brad William Henke, Haley Lu Richardson, Jalina Mercado, James McAvoy, Jessica Sula, Kim Director, Lyne Renee, Maria Breyman, Neal Huff, Sebastian Arcelus, Steven Dennis
Roteiro: M. Night Shyamalan
Trilha sonora: West Dylan Thordson
Duração: 117 min.
País: Estados Unidos
Gênero: Thriller/Terror
Trailer: (x)
Classificação: ★★★★☆

Postagens Relacionadas:

You Might Also Like

3 Comments

  • Reply
    Tary Belmont
    April 3, 2017 at 1:27 am

    Não gostei da parte da besta sobrevivendo a tiros, andando nas paredes e comento pessoas, achei que nessa parte ficou forçado demais. Mas fora isso, concordo com tudo o que tu disse, o filme é chocando em como trabalha com base nos traumas e no abuso das pessoas, eu achei impressionante. A qualidade da direção e da atuação são fantásticas.

    Bites!

  • Reply
    Rubyane
    April 4, 2017 at 6:43 pm

    Esse não é o tipo de filme que eu costumo assistir mas achei o trailer dele bem interessante, porém só agora sabendo o que vai acontecer com os personagens é que fiquei com um pouco de vontade de assistir esse filme hehe
    Ele parece ser bom apesar de eu não gostar de filmes de suspense, talvez eu o assista.
    Adorei o post e os spoilers :D hahaha

  • Reply
    anderson
    September 3, 2017 at 5:32 pm

    goste demais de sua explicação (sucinta).
    agora entendi tudo perfeitamente .parabéns

  • Leave a Reply

    CommentLuv badge