Textos

Afinal de contas, o que é essa tal de FANFIC?

O termo FANFICTION, para alguns, soa bastante estranho. Para outros, devido a vários best sellers da atualidade serem originados desse tipo de história, a palavra seja bem conhecida. E para aquela minoria, que passa horas dando ataques histéricos no tumblr, reblogando compulsivamente algum gif de seu artista favorito, falar de fanfiction é mais normal do que ir ao dentista.

Durante essa semana, o site Who’s Thanny está aqui para esclarecer esta e outras dúvidas e esperamos contar com a ajuda de vocês, para tornar este termo não só conhecido, mas fazer a Semana Especial de FANFIC algo não só nosso, mas de todo mundo. Então, se vocês tiverem alguma dúvida, não hesitem em perguntar.

Mas afinal… o que é essa tal de fanfic?

É de comer?

Bom, é quase. Fanfiction, ou simplesmente FANFIC, é um termo usado para descrever histórias escritas por nós, fãs, para outras pessoas de um mesmo fandom. Não entendeu patavinas do que eu disse? Sério mesmo, em que mundo você vive?

Após o boom da Internet no começo dos anos 2000, dividir opiniões, teorias, ou só achar pessoas com os mesmos gostos literários, televisivos, cinematográficos e musicais que você era fascinante.  Foi mais ou menos nessa época em que os jovens daquele tempo, cansados de esperar o lançamento do novo livro de Harry Potter, ou ociosos demais durante a midseason, começaram a escrever suas próprias histórias sobre seus personagens favoritos. Mesmo que fosse um Point Of View da Pensy Parkson em A Câmara Secreta ou explorar personagens secundários que já tinham morrido em Lost. Eles encontraram uma nova forma de mostrar seu amor a uma obra. Mas isso não aconteceu por causa da internet. Escrever esse tipo de história já existe há muito tempo. Foi com a exposição concedida pela WWW, que esses autores se tornaram conhecidos. Títulos famosos como O Senhor dos Anéis e As Brumas de Avalon, que possuem um material vasto para ser explorado e tratam de lendas que podem causar certo vício literário fizeram grandes autores, de hoje, começarem escrevendo pequenos plots, cenas ou até mesmo histórias de personagem secundários.

Se você leu até aqui, então eu devo ter te convencido que fanfiction é uma coisa democrática e muito legal, certo? Vamos seguir essa linha e desmistificar algumas dúvidas.

Qualquer um pode escrever fanfic?

Se você tiver um português no mínimo correto, porque não? Fanfictions não se atem a um gênero em específico. Qualquer pessoa pode escrever uma história sobre qualquer tipo de personagem que quiser. E isso não precisa ser específico à uma comunidade de fãs só. Conheço pessoas que escreveram e escrevem ainda histórias que tem como protagonistas a Florence Welch e Matthew Gray Gubler. Talvez na vida real eles não combinem, mas no seu imaginário eles podem fazer muito sentido. Escrever uma história desse tipo, ou imaginando o seu integrante favorito do One Direction interagindo em uma conversa com você, pode fazer sua criatividade fluir de uma forma inusitada. E talvez você descubra um escritor preso aí dentro que você não fazia ideia que havia.

Pode ser sobre qualquer tipo de fandom? Qualquer um MESMO?

Pode! Sem preconceitos de crossover ou de não haver uma história em background, como acontece, por exemplo com fanfics criadas a partir de livros e séries. Apesar de ter começado nessa onda lendo histórias escritas para fãs de Harry Potter (quem nunca?), passei boa parte da minha adolescência me derretendo horrores por um Danny Jones que batia na minha porta com flores me pedindo em casamento. É louco imaginar esse tipo de coisa? É… Mas de certa forma, isso consegue lhe aproximar de um ídolo, ou de uma obra, de uma forma muito mais profunda. Como estava dizendo, não há impedimento algum em se criar algo tendo-se como base um cantor muito famoso, ou sobre uma obra já existente. Basta-se ter criatividade e mãos à obra.

Alguns termos técnicos

Como algo que ganhou um tamanho monstruoso na internet, FANFICS também requerem um Livro Sagrado ou um Manual ao qual você possa recorrer sempre que quiser saber de algo mais técnico. Por exemplo, talvez você consiga entender quando eu te disser que escrevo Songfics (Histórias escritas tendo como base uma música), mas e se eu falar algo sobre One Shots? Peguei pesado? Vamos lá, vou esclarecer alguns termos pra você:

AU (Alternative Universe) – São fanfics passadas em universo alternativo. Um exemplo, uma fic de Teen Wolf onde os personagens não são Lobisomens.

Crossover – Quando a fic reúne personagens de séries diferentes num mesmo enredo, como  se misturássemos Sherlock e Doctor Who.

Death Fic – Onde a morte de um ou mais personagens significativos é o tema central da fanfic.

Slash – Onde o enredo gira em torno do relacionamento homossexual entre dois personagens, geralmente protagonistas. Isso ficou bastante comum depois que surgiram fics de My Chemical Romance, com relacionamentos entre Gerard/ Frank.

“I’m shipping Sherlock and Watson. Am I crazy?” Oh, you must be new here.

Shotacon – Fanfic com romance entre um homem mais velho com um mais novo.

Song Fic – Fanfics que usam letras de música para intercalar a história. Geralmente one-shots.

TWT (Time? What Time?) – Fora da linha temporal da série.

Mary Sue – O nome do estilo é uma homenagem à Tenente Mary Sue, uma personagem de fanfics de Jornada das Estrelas dos anos 80 que definiu o tipo da personagem perfeita. Nas fanfictions, esse termo é designado às personagens principais onipresentes, onipotentes e inatingíveis, que tornam a história melodramática e apelativa. As “Mary Sues” costumam nascer de OCs (Original Characters) abusivamente explorados.

One-shot – Fanfic escrita em um só capítulo, que pode ou não se dividir em várias partes.

OOC (Out of Character) – ‘Fora do Personagem’, ou seja, quando um personagem não age de acordo com sua personalidade pré-definida no enredo original.

OC (Original Character) – ‘Personagem Original’, criado pelo ficwriter.

PoV (Point of View) – ‘Ponto de Vista’, termo usado para designar a pessoa que está narrando a história (geralmente em fanfics narradas em primeira pessoa ou que trocam de narrador constantemente).

Beta Reader – Fazem o papel do que seria um editor, e revisor, no meio editorial. São elas que ligam o site até o autor e fazem também a revisão do material enviado para atualização.

Ship/ Shipper: Ahá, por essa você não esperava. O termo mais comum na internet hoje em dia é originado das fanfics! Surgiu para designar um relacionamento favorito em uma história. Pode derivar tanto de Relationship ou de Worship.

Canon: Quando você segue fielmente um relacionamento é verídico na história original. Por exemplo, Ron e Hermione é um Canon em  Harry Potter.

Onde podemos encontrar?

Há milhares de sites que disponibilizam fanfictions. O mais popular de todos é o Fanfiction.net .Apesar de ser um fórum em inglês, há muitas histórias escritas por brasileiros por lá. E sim, é vasta a diversidade de gêneros. Músicas, mangás, animes, filmes, séries, livros… a lista é infinita.

O Fanfic Addiction: Um dos primeiros sites integralmente brasileiro desse tipo de conteúdo (originado do falecido TAB). O FFADD era e ainda é vinculado ao portal McFly Addiction. Foi lá onde, há muito tempo atrás, londe da civilização, uma jovem moça chamada Babi Dewet deu seus primeiros passos escrevendo sobre quatro ingleses e um fusca chamado Eltinho. Vocês podem conferir outros romances da Babi por lá.

Fanfic Obsesssion: Criado pelo conjunto de Staffs do Fanfic Addiction que se desligaram do site, o FFOBS é um dos maiores portais de Fanfics brasileiros. Possuem gêneros diversos e várias dicas para novos escritores, além de catálogos extensos de Betas- Readers super legais.

Nyah!Fanfiction: Apesar de ter conhecido recentemente, o portal Nyah! abrange um catálogo grande de escritores de fics não-interativas e é um ótimo site pra quem procura esse tipo de conteúdo. O site possui mais de 100 mil histórias publicadas.

Clube das Autoras: Parcialmente novo, formado por algumas meninas da equipe do FFOBS, que se desligaram do site. Grandes histórias como Psicose e as mil várias histórias da autora Letícia Black estão hospedadas por lá.

Fique atento!

Se você conseguiu chegar até aqui, PARABÉNS! Você está quase pronto para se aventurar neste pequenino mundo fantástico que é escrever e ler fanfics. Mas, apesar de ser um lugar de livre arbítrio, algumas regras você deve seguir.
1. Pesquise sobre o gênero que quer escrever.
Sei que pode soar um pouquinho chato e tudo, mas saber sobre o que você está escrevendo pode fazer toda a diferença. Mesmo que você queira escrever um Sherlock Holmes loiro, ou um Junsu americano. Lembre-se que os fãs que irão ler sua história também precisam se relacionar com seu personagem.

2. Boa gramática, por favor.
Já comentei ali em cima, o bom português é fundamental. Se você ainda tem dúvidas em empregar algumas palavras, quase todos os sites que linkamos aqui possuem alguns tutoriais que irão te ajudar na hora do desespero.

3. Crie, não copie.
Apesar da frase “Nada se cria, tudo se copia” ser verdadeira, nunca é legal copiar descaradamente um plot de outra pessoa. Busque referências. Se você gostaria de escrever sobre zumbis, busque fugir do clichê The Walking Dead e crie uma distopia singular, só sua. Dará muito mais certo.

4. Repetindo: Pesquise.
Estou repetindo o tópico para falar de um ponto diferente: apesar da liberdade de escrever fanfictions concedida pela internet, alguns autores tornaram proibidas a publicidade desse tipo de história baseado em seus respectivos livros e afins. Um bom exemplo de autor que decidiu optar por esse caminho é o renomado George R. R. Martin, de As Crônicas de Gelo e Fogo. É muito raro encontrar fics relacionadas a essa obra por aí, e se existem, são bem clandestinas. Outra autora que o apóia é Anne Rice, juntamente à Marion Zimmer Bradley, autora de As Brumas de Avalon. O motivo de Marion é até compreensível: ela apoiava, veementemente as fanfics baseadas em seus livros, até que um dia, lendo algumas pela internet, se deparou com uma que se assemelhava muito à história de seu próximo livro. Para não haver transtornos judiciais envolvendo aquela autora e ela, Marion decidiu tornar proibida Fics sobre suas histórias.
Então, se você não quer se meter em encrenca, pesquise sobre o que você irá escrever antes de publicar. Veja se é uma free zone e que pode ser feliz e contente, praticando a escrita naquele território.

E para você, caro amigo, que deseja somente acompanhar essas histórias e se deliciar com o imaginário de fãs, como eu e você, eu só tenho uma coisa a dizer: Aproveite!

Postagens Relacionadas:

You Might Also Like

9 Comments

  • Reply
    Karen Alvares
    December 10, 2012 at 3:17 pm

    Ótimo post! Fanfics são uma maravilhosa escola para escritores iniciantes. E quem nunca se perdeu no mundo das fanfics de Harry Potter ou escreveu uma delas? Escrever e ler fanfics é tudo de bom. Diversão infinita! /blink
    Karen Alvares recently posted..O Fim do MundoMy Profile

  • Reply
    Ceile
    December 10, 2012 at 3:33 pm

    Ahhh, que post esclarecedor!
    Só li uma fanfic até hoje e só me deparei com o PoV e aprendi ~~na marra~~ que era a indicação do narrador.

    Não sabia destes babados envolvendo a proibição com base em alguns autores. Pode acontecer de a autora da fic ganhar mais que a própria autora dos livros -q

    Eu não vou me avanturar a escrever, mas tenho vontade de ler algumas, mas realmente não sabia por onde começar.

    Vocês vão indicar umas boas pra acompanhar, né?

    Beijo!

  • Reply
    Lizzie
    December 10, 2012 at 4:10 pm

    Texto excelente!! Que mais pessoas passem para o mundo das fanfictions, ou pelo menos que deixem de preconceito babaca. Eu quase nunca consigo falar sobre isso fora da internet. Ou a pessoa não sabe nada sobre isso, ou tem desprezo mórbido por quem escreve e lê “essas bobagens. Só livro original que vale”. Ah, a vontade de descer um tapa na cara…

    Eu não aprendi a escrever bem com fanfics porque eu nunca parei para escrever de verdade. O máximo que eu tenho é uma ou outra oneshot enterrada na minha conta do fanfiction.net. Mas eu devo eternamente à esse site a minha fluência na leitura e inglês. Nunca seria tão boa se não tivesse passado diversas tardes da minha adolescência perdida entre aquelas histórias! XDD
    Lizzie recently posted..Sobre os efeitos colaterais de se estar vivoMy Profile

  • Reply
    Byzinha
    December 10, 2012 at 7:58 pm

    Kd FF.net? =(

  • Reply
    Vanessa
    December 10, 2012 at 8:31 pm

    Adóóóro fanfics! Antes eu só lia elas, aí no ano passado eu criei uma conta do Fanfiction.net e comecei a escrever as minhas próprias fics! :)

  • Reply
    Regina
    December 11, 2012 at 12:14 am

    Quem tem fanfic esquecida no FF.net levanta a mão o/ (huahuaha, nostalgia…)

  • Reply
    Sam
    December 11, 2012 at 2:00 am

    Que post lindo, que post completo, QUE POST VIDA, DONA THAYNÁ!!!!!! Eterno amor pro meu gif de Sherlock ali, pfvr <3 Acho meio estranho imaginar que exista alguém não "iniciado" no mundo das fanfics, mas enfim. Fiquei tensa quando cê falou sobre criar uma história de zumbis que se diferencie de TWD, já que eu tenho lutado com isso há um tempinho hehe Enfim.

  • Reply
    Geo
    December 11, 2012 at 12:56 pm

    FANFICS, FANFICS EVERYWHERE!!!1
    Post lindo e cheroso, Thayná!! E, como a Sam disse, é até estranho imaginar que tenha alguém que não conheça fanfics. É a coisa mais <3 awn <3 Devo meus surtos por FrostMaiden a essas coisas lindas!! *_* kJAKSAJKSASJKAHS E também é muito legal ver como escritores de fanfics podem se tornar bons autores e serem publicados! É até um incentivo pro meu sonho e pro de tantos por ai! <3

  • Reply
    Who's thanny? » Blog Archive » Mariana Pereira, autora de Ao Meu Ídolo Com Amor…, fala sobre fanfics!
    December 13, 2012 at 10:52 pm

    […] explicamos aqui o que era essa tal de Fanfic. Vocês também viram aqui, que com um pouquinho de fé e coragem (e […]

  • Leave a Reply

    CommentLuv badge