Cinema

Millennium – Os Homens Que Não Amavam as Mulheres (2011)

Por Byzinha

“Especial Oscar”, a pessoa não tem nem vergonha na cara.

Existe um bom motivo para a versão hollywoodiana da série sueca de sucesso “Millennium” ter uma nota maior no IMDb do que o original: é porque é melhor.

É fato que o anúncio da nova versão, dirigida por David Fincher, causou reboliço. Por que, na face da terra, os EUA insistem em pegar tudo que é de fora e transformar em algo deles??? Eles vão arruinar tudo!!! Hm… Nem sempre. “The Girl With the Dragon Tattoo” se provou uma melhor adaptação do livro que o original.

Para quem não conhece a história, (em que mundo você vive? O_O) lá vai um resumo: Lisbeth Salander (Rooney Mara) é uma moça pouco comum. Tudo nela grita o quão diferente ela é. Mas mais que isso: ela é inteligentíssima. Hacker profissional, Lisbeth trabalha para uma empresa de segurança e foi contratada por Henrik Vanger (Christopher Plummer), um empresário importante, para descobrir tudo sobre a integridade de Mikael Blomkvist (Daniel Craig). A carreira de Mikael está em baixa desde que ele publicou uma matéria em sua revista (a Millennium “OH-agora-entendi-o-nome!”) que foi provada falsa, fazendo com que ele fosse processado por difamação. Porque Henrik Vanger precisa do falido Mikael? Para ajudá-lo a desvendar um mistério que o perseguia há quarenta anos: o desaparecimento/morte de sua sobrinha favorita, Harriet Vanger (Joely Richardson).

Mikael aceita ajudar, porque a proposta é intrigante e irresistível, mesmo sabendo que provalvemente não encontrará nada de novo, levando em consideração que, bem… a polícia vinha investigando aquele caso há quatro décadas e nunca tinha chegado à conclusão nenhuma.

Eis algumas razões para Hollywood ter uma melhor versão do filme que a gente já assistiu em sueco: (1) a trilha sonora. Os mesmos responsáveis pela trilha digna de Oscar de A Rede Social (ainda não engoli A Origem ter perdido essa, mas entendo), fizeram uma trilha rock ‘n roll M A R A V I L H O S A. Não, sério. De arrepiar. (2) as performances. Não entenda errado, Noomi Rapace é minha diva, veja toda a atenção que ela ganhou ao interpretar Lisbeth no original. Mas o elenco hollywoodiano foi surpreendentemente inteligente. Dan Craig, sinceramente, quem não o visualizou imediatamente enquanto lia o livro? Rooney é uma surpresa agradável para quem só tinha visto Hora do Pesadelo e Rede Social. (3) a adaptação. Tanto quando eu assisti a versão sueca, quanto quando assisti a versão hollywoodiana, teve aqueles momentos “mas… kd?” em relação ao livro de Larsson. Mas, veja bem, a versão de Fincher teve BEM MENOS desses momentos. Um exemplo é a cena final – que todo mundo que não leu o livro ficou “wtf, nada ~~haver~~” e eu: “OH! O FINAL DO LIVRO QUE EU FIQUEI PROCURANDO NO ORIGINAL! OH!”. Ambos os filmes deram um final diferente para Anita Vanger e nenhum dos dois seguiu o livro (grandes questões da humanidade).

Dos três livros, Os Homens que Não Amavam as Mulheres é o que tem mais ação, e o filme fez jus a isso. É violento e explícito, sua classificação é 18 anos com motivos. Você fica colado na cadeira e nem sente as mais de duas horas que ele tem, exatamente como um bom filme tem que fazer. Todas as indicações que recebeu foram merecidas. Se você ainda não assistiu, por medo de decepção, pode tirar isso da cabeça. E se você ainda não leu os livros, não sei o que está esperando. Se ele não entrar para sua lista de melhores romances policiais da face da terra, pelo menos você vai ter ótimas sugestões de camiseta (Lisbeth Salander é a melhor).

Corre conferir!

FICHA TÉCNICA


Título original: The Girl With the Dragon Tattoo
Diretor: David Fincher
Elenco: Rooney Mara, Daniel Craig, Christopher Plummer, Stellan Skarsgård, Steven Berkoff, Robin Wright, Yorick van Wageningen
Produção: Ceán Chaffin
Roteiro: Steven Zaillian, Stieg Larsson
Trilha Sonora: Trent Reznor, Atticus Ross
Duração: 158 min
Ano: 2011
País de Origem: Estados Unidos da América, Suécia
Gênero: Policial, Drama
Classificação: ★★★★★

You Might Also Like

5 Comments

  • Reply
    Kamila Wozniak
    20/05/2012 at 12:22 am

    Olha, vou ser sincera …
    Não li o livro ainda, mas fiquei super interessada nele qnd comecei a ver divulgações por ai rs
    Não vi a versão sueca do filme … mas AMEI a versão com Daniel Craig, primeiro pq adoro ele hehe segundo pq achei demais toda a ação do filme.

    A Rooney é demais… achei ela fantástica nesse personagem! 🙂

    Com certeza vale muito a pena assistir!!

    E mesmo não lendo o livro… não gostei do final hahaha
    Mas pq eles insistem em mudar as coisas?! Adaptar eh uma coisa… alterar eh outra… Oh Lord! hahahha

    Beijinhooosss

    Ka Wozniak
    Cinco das Artes

    • Reply
      Byzinha
      20/05/2012 at 2:01 am

      Mas… O final do filme de Hollywood é mesmo final do livro! Por isso que eu gostei. No filme sueco eles não colocam aquela ceeninha.

  • Reply
    Raíssa
    21/05/2012 at 7:25 pm

    Putz, ainda não li o livro, nem vi nenhum dos filmes… :/ Mas conheço a história, (não tô tão perdida na boitchy assim). Tenho ouvido críticas muito boas pras duas verões pro cinema (a sueca e a americana), todos dizendo que a Mara tá mandando muito bem. 🙂 (agora que eu vi aqui que REALMENTE é ela em A Rede Social e A Hora do Pesadelo! O_O Nem parece a mesma pessoa!)

    Quero ver!

    bjs bjs!

  • Reply
    Cássia Oliveira
    22/05/2012 at 10:08 pm

    Sou tão apaixonada pela trilogia Millennium que fico meio assim de assistir aos filmes! O livro é perfeito, e não quero estragar a imagem que tenho dos personagens – a Lisbeth do filme não tem nada a ver com a MINHA Lisbeth! Aliás, a superprodução da minha imaginação dá de 10 a zero em qualquer hollywoodiana!

  • Reply
    Davi Ferreira
    27/05/2012 at 12:40 pm

    Ainda não li esse livro. A vontade é enorme.
    Sua resenha está ótima, parabéns !!

  • Leave a Reply