Evento

Intercomic

No post sobre o Ribeirão Preto Anime Fest eu citei que tinha planejado ir a outro evento de cultura pop, a Intercomic.

O evento aconteceu nos dias 18 e 19 de agosto, no Centro de Eventos do Ribeirão Shopping; o lugar não é muito grande, e eu imaginei que seria uma tarefa bem complicada colocar um evento desses num espaço reduzido. Mesmo com as limitações por conta do espaço ser pequeno, teve pelo menos duas coisas que achei bem positivas na escolha do lugar: facilidade de acesso por transporte público, já que existe um terminal de ônibus urbano ao lado do shopping – mesmo no domingo, com menos ônibus em circulação, ainda tinha uma quantidade até razoável de opções pra chegar – e, como era permitido entrar e sair do evento com o mesmo ingresso durante todo o horário do evento, a possibilidade de circular no shopping foi algo que eu achei ótimo também.

Os anúncios:

Reconheci vários rostos que eu tinha visto no Anime Fest dias antes, inclusive algumas pessoas que estavam com o mesmo cosplay nos dois eventos. E, do mesmo jeito que fiz no Anime Fest, publiquei no meu perfil no Instagram várias fotos de cosplayers que vi lá e achei interessantes. Não só o público era similar ao do Anime Fest, mas algumas atrações, por exemplo, da Artists Alley, estiveram nos dois eventos.

No perfil da convenção no Instagram eles publicaram alguns dias antes do evento a programação do palco e da área onde aconteceriam algumas atividades – amei a escolha das bandas, praticamente só bandas locais de rock, e a maior parte das músicas que essas bandas tocaram foram cover de artistas que eu gosto do trabalho deles.

Das lojas que tinham espaços lá, a que mais me chamou a atenção foi a da Ludens, onde comprei um jogo chamado Black Stories – o resumo do jogo é mais ou menos o seguinte: a caixa vem com 50 cartas, e é pra ser jogado, no mínimo, em duas pessoas, e idealmente em mais de três, porque uma será uma espécie de narradora; cada carta tem uma descrição de uma morte, de um lado, que a pessoa narradora lê para todo o grupo, e do outro lado da carta tem detalhes sobre o caso, que somente quem for narrar vê, e as outras pessoas podem fazer perguntas para descobrir esses detalhes. Ah, a Loja Centurion também estava com um espaço bem interessante.

No evento tinha um espaço da mesma rede de livrarias que tem uma unidade no shopping, e comprei ali um exemplar de Deuses Americanos do Neil Gaiman – que espero devorar ainda mais rápido do que li Mitologia Nórdica – e uma HQ chamada A Diferença Invisível, sobre uma protagonista que tem diagnóstico de transtorno do espectro autista.

Outra loja que eu achei muito interessante foi a loja Nerdify – muita coisa bem bonita inspirada em Harry Potter, Lord of the Rings, Star Wars e vários outros universos – a propaganda aqui é porque gostei mesmo da loja, sem nenhum tipo de patrocínio nem nada parecido. Achei muito legais mesmo especialmente os itens de decoração.

Um estande que parecia bem divertido tinha um espaço para criação de uma HQ colaborativa, e provavelmente quem participou criou um trabalho bem interessante.

Algumas das fotos que fiz lá dentro, com alguns dos estandes em destaque:

ainda da @inter.comic (4)

A post shared by Hypia Sanches (@hmsanches) on

E outra vez vou ressaltar a maravilhosidade da Artist’s Alley; tinha várias pessoas com trabalhos ótimos ali, e vou destacar três: o Rodrigo Mazer, autor de uma HQ chamada Cyberpunk, que foi um dos trabalhos que mais me chamou a atenção ali; o Fernando Fontana, autor do livro Deus, o diabo e os super heróis no país da corrupção, que eu achei bastante bom, e a Maria Clara, que é uma ilustradora maravilhosa.

Tinha uma exposição com vários colecionáveis tanto de personagens da Marvel quanto da DC, estátuas dos cavaleiros de ouro dos Cavaleiros do Zodíaco, uma boa parte dos bonecos Funko de Game of Thrones, entre outros itens.

#saintseiya #knightsofzodiac #otaku #geek #nerd ainda da @inter.comic

A post shared by Hypia Sanches (@hmsanches) on

(mais no meu perfil no Instagram)

Ainda sobre Cyberpunk: uma ideia é fazer uma publicação específica sobre o quadrinho, porque gostei demais da leitura. Na hora de pedir autógrafo, aconteceu algo que nem me surpreende mais há um bom tempo: meu nome chamou a atenção.

#cyberpunk #intercomic #scifi #comics #hq #quadrinhos #geek #nerd

A post shared by Hypia Sanches (@hmsanches) on

Tanto no sábado quanto no domingo gente da banda de lá de Ribeirão Preto que ganhou o concurso do Planeta Rock foi visitar o evento; a banda não tinha sido escalada para apresentação no palco, e eu gostaria bastante se estivessem.

O concurso de cosplay eu não vi, porque precisei ir embora antes. Uma das pessoas que revi nesse evento foi a Bruna – acho que ela é uma pessoa maravihosa, e eu gosto bastante do conteúdo que ela produz; recomendo muito que acompanhem.

No geral, gostei bastante do evento, torço pra que ele se expanda e traga mais gente incrível, com mais novidades, espaço pra debates, entrevistas e palestras. Trouxeram vários quadrinistas incríveis e outros convidados bem interessantes, entre outras atrações que não só as lojas e o concurso de cosplay, e achei que faltou espaço pra um pouco mais de destaque pra essas atividades.

Já estou torcendo pela confirmação da próxima edição desse evento.

You Might Also Like

No Comments

Leave a Reply

CommentLuv badge